quinta-feira, 10 de maio de 2012

Shame [2011]


(de Steve McQueen. Idem, EUA, 2011) Com Michael Fassbender, James Badge Dale, Nicole Beharie, Carey Mulligan. Cotação: ****

Depois de assistir “Shame”, fica até meio óbvia a razão pela qual Michael Fassbender foi sumariamente ignorado pelo Oscar desse ano. Não é segredo que a Academia seja puritana (exemplos históricos estão aí para comprovar), e um filme como esse, onde o sexo é condição latente do protagonista, fica nítida a ojeriza que o filme possa ter causado entre os acadêmicos mais tradicionalistas. O que é uma pena. Não só por Fassbender, mas o filme como um todo tem uma carga a mais de charme, plasticidade e um bom trabalho de direção, que fica até chato diminuir o filme como “aquele que tem Michael Fassbender pelado e fazendo muito sexo”. Eu até peço permissão para comparar o trabalho do ator sensação de 2011 com o que Marlon Brando fez em “Último Tango em Paris”, grande clássico do mestre Bertolucci. 

O tão comentado trabalho de Fassbender foi dar vida à Brandon (Michael Fassbender), um homem aparentemente comum, trabalhando em uma empresa de negócios, que possui um amplo apartamento em uma ótima região. Mas o que Brandon não sabe, ainda, é que o fato de dar prioridade ao seu prazer sexual pode ser um problema sério. Ele se masturba o quanto pode, adora contratar prostitutas, flerta com o máximo de desconhecidas possível para garantir qualquer rapidinha e é assíduo consumidor de pornografia, a ponto de ter uma pesada coleção de revistas e DVDs, e deixar o computador do trabalho corrompido de tanto material pornográfico contido.  Ele só começa a se dar conta de uma comprovada compulsão sexual após a chegada da irmã – a problemática cantora Sissy (Carey Mulligan) - em sua casa. Desse reencontro, uma inevitável relutância de Brandon em se dar conta que o seu prazer se tornou uma obsessão.

Assistindo a “Shame”, é possível fazer todo um traçado para comparar Brandon a qualquer outro viciado em uma droga, digamos, mais devastadora, segundo a sociedade. Ele, ao encarar uma moça numa típica viagem de metrô ao trabalho, parece se deparar com o seu objeto de desejo como um chacal observa uma gazela, com um instinto animal atravessando o seu olhar a ponto incomodar a própria moça, que antes retribuía o olhar como flerte. Outra comparação possível é a própria deterioração da personalidade do protagonista, e a sua sensação de saciedade emaranhada com culpa pós-coito. Brandon é um galã, e é nítido que ele não vê dificuldades em encontrar a sua droga, já que ela é oferecida sem grandes problemas, e ainda assim, ele demonstra preferir prostitutas e sexo anônimo, em detrimento de uma relação considerada normal. Todas essas comparações e algumas conclusões só podem ser resultantes do bom trabalho de Steve McQueen, que já dirigiu Fassbender no angustiante "Hunger" (2008), e aqui trabalha com roteiro de Abi Morgan (do questionável "A Dama de Ferro").

E não dá pra deixar de dizer que Michael Fassbender está impecável no papel. O ator alemão consegue fazer algo que parece simples, mas é bem o contrário. Fazer cenas de sexo (as mais fortes possíveis), no caso de “Shame”, não pode – e nem deve - ser excitante. A linha é bem tênue. Estamos falando do drama de um cara compulsivo sexualmente que vai se degradando. E, embora o nu frontal esteja ali, de início, para chamar a atenção do público ansioso, aos poucos nos deparamos com cenas de sexo que incomoda não só os representantes da ação, mas a nós mesmos, que abandonamos a posição de voyeur para ser quase um cúmplice. Nesse quesito, são quase inseparáveis os méritos de Brandon e de McQueen. Este último, por sinal, em aspectos pontuais, sofreu do mal do cinema-artístico-pedante, com seus diálogos de efeito, uso de cores como chamariz primário (o vermelho do sangue, por exemplo), e longas plano-sequências, que me incomodou, especificamente, na cena em que Mulligan canta uma versão devagar-quase-parando de New York, New YorkzZzZzZzZz...

“Shame”, desnudo de polêmicas, é um filme com um potencial incrível, e traz Michael Fassbender capaz de arrancar aplausos, e, porque não dizer, suspiros. 

6 comentários:

  1. Eu tb gosto muito desse filme. Em Hunger, o que vc chama de "cinema-artístico-pedante" é bem mais evidente. Qd comecei a ver Shame, o seu inicio meio parado me fez achar q tb seria como a sua primeira obra, mas felizmente não é. Vc não gostou da cena de New York? Pô, foi bonita, fez até Brandon chorar, aquele sujeito desprovido de emoção...hehe

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Ah, preciso dizer ou ressaltar o quanto eu quero e preciso ver logo esse filme?

    ResponderExcluir
  3. polêmico, sensual e talentoso... e a carey mulligan é sensacional

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  4. Gostei das atuações e do clima, mas no fim, resultou em algo vazio, o que é bastante frustrante pra um assunto tão interessante.

    ResponderExcluir
  5. CAMPANHA: NOSSO FOCO É O CINEMA

    Para um BLOGUEIRO CINÉFILO cinema é arte, talento e magia. Ele lê muito sobre a sétima arte, pesquisa, passa horas diante do computador, coleta imagens raras e principalmente vê filmes, muitos filmes. Movido pela paixão cinematográfica, abre as portas para um novo mundo. O que mais o anima a continuar são os COMENTÁRIOS dos internautas. Tornar-se SEGUIDOR do seu blog é uma grande alegria. Pense nisso e apoie os blogs cinéfilos DEIXANDO COMENTÁRIOS e SEGUINDO-OS. O cinema agradece.

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito de Shame. Pra mim, a direção do McQueen é excelente em todos os aspectos (e não consigo resumir o nu frontal de Brandon a um chamariz, mas vejo como uma opção narrativa, já que só aí vemos ele nu, evidenciando sua personalidade introspectiva e fechada). Falando em Fassbender, aliás, ele dá um show a parte que merece todos os aplausos! Ademais, pra mim, a cena de New York, New York é a segunda melhor do filme!

    ResponderExcluir